6. Econômia da emoção - jun.2020
ECONOMIA DA EMOÇÃO
22 de July de 2020

Tenho refletido muito sobre como caminhamos como humanidade quando o quesito é desenvolvimento econômico. Não acredito ser mais possível continuarmos a pensar riqueza de uma nação a partir de números econômicos.

Quando debruço sobre este tema, costumo pensar sobre tudo que já vi no mundo de desigualdade. Quanto mais alguns constroem riquezas uma enorme maioria fica pobre ou miserável. A questão é: Até quando suportaremos este modelo sem que uma revolta global realmente estabeleça uma nova ordem ou mesmo force a humanidade a reavaliar o que ela mesma chama de riqueza?

Gostaria com você caro leitor do Instituto Elaborar que acompanha nossos materiais fazer uma reflexão sincera do que podemos chamar Economia da Emoção.

Economia da Emoção, nasce da percepção de alguns grupos da necessidade de reconexão do Ser Humano com sua essência. Retornando a nossos pilares, teremos nesta base as conexões baseadas no relacionamento emocional. Somos seres relacionais e que precisam da vida em comunidade para a criação e fortalecimento dos grupos.

Bem até aqui nenhuma novidade, porém ao nos debruçarmos sobre este quesito, remontamos a nossa verdadeira origem como raça. Na antropologia, estamos a base da formação humana. Em nosso processo civilizatório, quando como raça nos sedentarizamos, foram as conexões emocionais e o Inter relacionamento que conseguiu dentro de grupos nômades gerar a aderência suficiente para nossa consagração como nação em todo o planeta.

A economia da emoção está nos pilares da nossa construção como povo. Em seu livro Processo Civilizatório, Darci Ribeiro, analisa a partir de dados históricos, paleontológicos e arqueológicos o que chamamos de sedentarização humana. Um pequeno grupo provavelmente menor que mil indivíduos, subiu do continente africano na última era glacial. Deste grupo ou melhor dos indivíduos que sobraram ao chegar na antiga Mesopotâmia eles encontraram ambiente fértil para iniciar o processo que levaria a criação da primeira cidade, domesticação de animais como o boi e a criação da agricultura como conhecemos. A economia da emoção foi o elo de pertença que conectou este grupo e originou a sequência de povos que bem conhecemos.

Quando analisamos nosso mundo atual baseado no crescimento desenfreado e na exploração dos recursos cada vez mais escassos da terra, percebemos que outro ponto de conexão entre os seres humanos precisa ser restabelecido caso contrário, não nos restará muito mais do que conflitos e guerras como caminho para disputar o que teremos de recursos. Em um recente relatório dos militares brasileiros é apresentado um cenário de disputas nos próximos vinte anos pelos recursos da Amazônia. Pode parecer apocalítico pensar nisso, mas o fato é que não seria surpresa que tais estudos realmente acontecessem.

A questão a ser refletida por nós é o quanto estamos dispostos a pensar o mundo a partir de uma nova visão baseada na economia da emoção. Pensar a partir destes pilares nossos relacionamentos e nossos negócios mudariam completamente a ordem econômica, relacional e de desenvolvimento.

Já imaginou criar produtos e serviços que tivessem como origem e fim agregar algum valor real ao mundo? Produzir alimentos que não tivessem o único destino além de oferecer fonte saudável de proteínas e vitaminas estaria fora desta economia. Excessos de açúcar, sódio, gorduras, conservantes etc seria algo impensável pois dentro do conceito da economia da emoção a única coisa que importa é o Ser humano.

Para que produzir armas ou produtos tóxicos se o destino final é o Ser humano? Emoção seria a única forma de conexão com os envolvidos nas cadeias de valor das empresas e dos consumidores. Nas relações empresariais sempre o início das questões seria relacional. Será que fazemos bem ao mundo? Este seria o questionamento central dos negócios existentes.

Pense comigo, quantas empresas deixam marcas de dor no mundo e em seus consumidores? A humanidade foi marcada por doenças advindas do consumo de produtos que por sua composição ser basicamente desenvolvido para viciar seus consumidores instaurou doenças e doentes ao longo das décadas.

Na economia da emoção ou estes produtos tem sua composição pensando no bem estar ou não existe o porquê eles existirem. Parece óbvio, mas praticamente toda a indústria instalada hoje no mundo ligado à alimentação teria sérios problemas para ficar de pé com o conceito economia da emoção. Olhando outros mercados não temos um cenário muito diferente. Porém o início de toda mudança é nosso inconformismo.  

Será que você e seus relacionamentos poderiam ser guiados pela economia da emoção?

A base da economia da emoção é sistematizada no que chamamos da cultura dos 4Es. Empoderar, acreditar que podemos transformar. Empreender, nossa indignação transformada em ação. Envolver, gerar conexão verdadeira aproveitando tudo que temos de tecnologia hoje e Entregar. Ou fazemos a diferença no mundo ou somos uma mentira.

Economia da Emoção pode ser resumida a capacidade de transformar o mundo a partir da reconexão com nossa essência humana, trazendo à tona nossa maior beleza, gerando relacionamentos verdadeiros e transformando a realidade do mundo em que vivemos.

Benício Filho
Psicanalista Clínico, formado pela Kadmon Sociedade Brasileira de Psicanálise e Coaching. Com formação em eletrônica, graduado em Teologia pela PUC SP, com MBA pela FGV em Gestão Estratégica e Econômica de Negócios, atua no mercado como empreendedor no segmento de tecnologia desenvolvendo equipes, formando lideranças e criando negócios no Brasil e em outros países. Palestrante desde 2016 sobre temas como Cultura de Inovação, Cultura de Startups, Liderança Ressignificada, Empreendedorismo, Espiritualidade e Essência, já esteve presente em mais de 400 eventos. Sócio fundador do Instituto Elaborar e conselheiro do ITESCS (Instituto de Tecnologia de São Caetano do Sul) bem como em outras empresas e associações. Lançou em dezembro de 2019 o seu primeiro livro “Vidas Ressignificadas” que mergulha em sua experiência na jornada que fez em Santiago de Compostela.